Cogito Ergo Sum, Dicionário Comentado De Expressões Latinas

Cogito Ergo Sum, Dicionário Comentado De Expressões Latinas

Preço na Livraria PromoBooks

Preço: 7,50€
Adicionar ao Carrinho:
75 Promos
0,75€ na sua conta
Disponível. Entrega entre 2 a 8 dias.

Ficha do Livro

Autor: Orlando De Rudder
ISBN: 978-9-899568-90-7

Sinopse do Livro

Asinus in tegulis (Um burro no telhado)

Este adágio latino serve para designar qualquer coisa estranha ou incongruente. Curiosamente, os telhados das casas são muitas vezes o suporte dos objectos mais extraordinários, quando se deseja evocar o absurdo. Para além de um burro, podemos encontrar sobre eles um violino ou, então, o companheiro do burro da Natividade, o boi, o qual viu efectivamente nascer o início de uma nova era.

Espaço de uma certa consciência do absurdo, Boeuf sur le toit foi inicialmente um bar, uma espécie de discoteca situada na Rua Duphot e aberta por Louis Moysès, oriundo de Charleville. O primeiro nome do estabelecimento foi Le Gaya, devido a um [vinho do] porto da região de Gaia que ali se vendia. Jean Wiéner tornou-se pianista do local e ali tocava todos os géneros de música, particularmente jazz, e até mesmo o Pierrot lunar de Schönberg, que, na época, tinha a capacidade de chocar, tanto mais que o seu autor era austríaco.

O bar tornou-se o ponto de encontro das pessoas mais importantes da altura no domínio das artes: Picasso, Gide, Diaghilev, Misia Sert, Ravel, Erik Satie, Picabia, Mistinguett ou, então, Fernand Léger, o qual pediu a Wiéner que lhe tocasse um tema recente: “Saint Louis Blues”. Arthur Rubinstein substituiu pontualmente Wiéner para tocar obras de Chopin. Léon-Paul Fargue e Jean Cocteau relacionavam-se ali com o Grupo dos Seis. Em suma, todo um espírito novo nasceu naquele espaço. Tristan Tzara, o pai do Dadaísmo, frequentou Le Gaya. No entanto, os seus herdeiros, os Surrealistas, mais sectários e menos abertos às reais novidades, muitíssimas vezes impermeáveis à música, mostraram indiferença para com aquele estabelecimento, preferindo Le Certa, outro bar próximo da Ópera de Paris.

Em 1919, Jean Cocteau quis escrever uma farsa para dar continuação à Parade de Erik Satie. Tinha ouvido Georges Auric e Darius Milhaud tocarem a quatro mãos um encadeamento de sambas e de rumbas, uma peça que deveria chamar-se Cinéma-Symphonie, na qual se misturavam alguns ritmos novos importados do Brasil. Milhaud mudou o título dessa obra para Le Boeuf sur le toit, embora se tratasse do título de uma canção brasileira já existente. A obra assim intitulada teve como subtítulo The Nothing Doing Bar, pois Cocteau desejava escrever uma farsa «onde nada se passaria».

A estreia do espectáculo teve lugar na Comédia dos Campos Elísios, no dia 21 de Fevereiro de 1920. Vestuário e cenários eram de Raoul Dufy. A agitação e o ruído gerados em torno do Gaya fizeram com que Moysès se mudasse para outro local, abrindo um novo estabelecimento na Rua Boissy-d’Anglas, ao qual deu simplesmente o nome de Le Boeuf sur le toit.

O espírito novo continuou a reinar, enquanto a reputação do bar se espalhava. Clément Doucet, que ia de seguida tocar com Wiéner, acabou por substituí-lo ao piano. No dia 15 de Julho de 1922, Jean Hugo e René Crevel levaram Marcel Proust ao Boeuf sur le toit, local onde encontrou os famosos «valsistas bolchevisantes» dos quais fala na obra Em busca do Tempo Perdido. Foi também ali que veio a conhecer Radiguet. Quer neles se encontrem burros, bois ou simples gatos vadios, os telhados são decididamente locais onde sempre se passa alguma coisa.

E muitas vezes aparece alguém a dizer que o que ali ocorre é absurdo.


Comentários ao Livro Cogito Ergo Sum, Dicionário Comentado De Expressões Latinas

Ainda sem Comentários. Seja o primeiro a deixar o seu comentário

Cookies são pequenos ficheiros de texto armazenados no seu dispositivo. Alguns são fundamentais para o funcionamento do site, outros permitem-nos obter estatísticas para melhorar a performance / marketing o site.

* Cookies fundamentais para o funcionamento do site. Contem o Id. de sessão, configuração dos cookies.
Cookies Analíticos permitem analisar dados anónimos sobre visitantes como nº de visitas, dispositivos, dados geográficos. O IP é anómino.
Cookies de Marketing / Sociais, que estabelecem uma relação entre o visitante e as suas preferências, partilhas, likes em Redes Sociais. Não rastreiam tags como User Id. ou Emails. Ao não estarem activos, certas funcionalidades do site não estão presentes como partilhas ou chats.

Nota:Tentamos remover os cookies com esta configuração, mas pode sempre remover todos os cookies usando a ferramenta do seu navegador. Para conhecer mais detalhadamente sobre os cookies utilizados, consulte a nossa Política de Privacidade